Você confirma que possui mais de 18 anos?

Sim Não

Frappato, conheça esta uva!

Vinhos veganos: Mas não são todos?
24/01/2019
Exibir tudo

Frappato, conheça esta uva!

Segunda casta mais cultivada na Sicília, resolve assumir o seu protagonismo e impressiona o mundo!

Clichê folhetinesco clássico, repetido de musicais da Broadway a novelas mexicanas: Ele rapaz trabalhador, bom sujeito, de família enraizada na sua comunidade, compensa com suor a inteligência limitada, com lealdade a sua rudeza, e com bravura a certa brutalidade que lhe é peculiar. Um dia conhece uma linda moça, sofisticada, educada, inteligente e doce. Juntos complementam-se como goiabada cascão e queijo Canastra e, como casal, ganham reputação e notoriedade. O tempo passa e o rapaz esquece das suas limitações e de como sua reputação depende de sua parceira e passa a não dar a ela o devido reconhecimento de seus méritos. Ela se cansa de viver à sombra de seu parceiro e se lança para o mundo. O resultado não poderia ser outro. A essas alturas vocês já estão lembrando de histórias assim na família, na política, nas corporações, mas o que pouca gente sabe é que algo parecido acontece agora no mundo do vinho. Estou falando do casal Frappato e Nero D’Avola.

Quando se pensa em vinhos da Sicília, a casta Nero D’Avola salta imediatamente à nossa memória na mesma velocidade que a Sangiovesi vem quando se fala de Toscana ou a Malbec sobre a Argentina. Mas o que o mundo está descobrindo agora é que muito do prestígio da Nero D’Avola se deve a essa uva de nome simpático a Frappato.

A Sicilia demorou pra ter uma DOCG (Denominação de Origem controlada e garantida – normalmente associada às regiões de maior prestigio para produção de vinhos Italianos). Foi só quando, na comuna de Vitória, berço dos melhores tomates e berinjelas do planeta, a intensidade, robustez, peso e, por que não, brutalidade da Nero D’Avola, encontrou a sofisticação, leveza intensidade aromática e acidez da Frappato, nascendo aí o “Cerasuolo di Vitoria DOCG” a primeira DOCG da Sicilia que então passa a figurar no mapa da Itália com região produtora de vinhos mais sofisticados, onde o nosso casal é o centro das atenções, mas sempre lembrando que a Frappato é a uva de corte, de menor percentual. De largada isso já mostra certa injustiça pois o termo Cerasuolo (que forma o nome da DOCG) significa Cereja, aroma que vem da Frappato, portanto a “cereja de Vitória” só o é por conta da 2a casta do casal.

Produtores começam a tirar essa uva do “anonimato” e produzir varietais incríveis com muita fruta, muito aroma, pouco tanino e amargor e muita acidez. Vinhos facilmente comparáveis a bons Beaujolais da Borgonha.

A Frappato tem um caráter feminino encantador, extremamente marcante, não pela sua potência, mas pelo aroma, é intenso sem ser fraco.

Pelo seu frescor e pouco tanino, harmoniza perfeitamente com peixes como bacalhau e atum, mas a melhor de todas as harmonizações que experimentei foi com a Summer Wine – The Coors & Bono . De todas as versões dessa música que degustei, digo, ouvi só Bono e Andrea conseguem traduzir a sensualidade que a musica pede e que os varietais da uva Frapatto entregam.

A WCAVE importa com exclusividade para o Brasil o Frappato e o Cerasuolo Di Vitoria DOCG do produtor Patri. Ambos grandes exemplares da tipicidade riqueza e sofisticação que a Frappato entrega. Tanto da sua versão “casada” quanto na “divorciada. “Uhhhh summer wine…”

www.wcave.com.br

Texto Fernando Lacerda. Enofilo, WSET, presidente de confraria, bebe vinho em doses “industriais” e sócio da WCAVE.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *